Foliculite vaginal : o que é, causas e como tratar

foliculite vaginal

Nós mulheres, sabemos que infecções ginecológicas podem ser bem chatinhas e desconfortáveis. Infelizmente, algumas delas são bem comuns no nosso dia a dia, como é o caso da “foliculite vaginal” ou para usar o termo mais correto a “foliculite vulvar”. 😬

Mas não se preocupe, se você sofre com crises recorrentes de foliculite na região íntima, nós podemos te ajudar! No post de hoje, vamos falar sobre o que causa essas bolinhas vermelhas na virilha e na vulva, e o mais importante, como evitá-las. Fique por aqui e confira nossas dicas! 🔎

O que é a foliculite vaginal?

A foliculite vaginal é uma inflamação dos folículos pilosos na região genital feminina. Esses folículos são pequenos “saquinhos” na pele que contêm o pelo e as glândulas sebáceas. Quando os folículos ficam obstruídos e infectados, pode ocorrer a foliculite.

Na região vaginal, a foliculite pode ocorrer devido a vários fatores, incluindo o uso de roupas apertadas, depilação com cera, lâmina ou cremes depilatórios, ou mesmo devido a doenças de pele, como a acne e em casos mais graves a hidroadenite

Os sintomas da “foliculite inflamada” podem incluir vermelhidão, desconforto, dor, inchaço e pus nas áreas afetadas. Em casos mais graves, podem até ocorrer bolhas ou úlceras.

O que é foliculite nos grandes lábios?

Os grandes lábios são aquela parte externa da genitália feminina, que protegem a região interna e os órgãos genitais. A foliculite nos grandes lábios pode ser causada por diversos fatores, como o uso de roupas apertadas, depilação bem como a falta de higiene adequada na região.

Em alguns casos, a foliculite nos grandes lábios pode ser causada por infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), por isso é importante buscar orientação médica caso haja suspeita de alguma infecção. Também é possível ter foliculite nos pequenos lábios, embora seja mais raro. Em todos os casos, o tratamento deve ser feito com indicações de um profissional.

Como tratar foliculite nas partes íntimas?

Foliculite coça, incomoda e causa mal-estar. É por isso que é tão importante buscar ajuda, viu? Vale destacar que o tratamento da foliculite nas partes íntimas pode variar dependendo da causa da condição e da gravidade dos sintomas.

Aqui estão algumas medidas que podem ajudar a tratar a foliculite nas partes íntimas:

  1. Mantenha a área limpa e seca: Lave a área afetada com água morna e sabão suave e seque cuidadosamente a pele com uma toalha limpa. Evite o uso de produtos de higiene íntima com fragrâncias ou outros ingredientes irritantes.
  2. Não remova os pelos: Evite depilar, raspar ou usar cremes depilatórios na região genital enquanto a foliculite estiver presente, pois isso pode agravar a inflamação e levar a infecções.
  3. Use roupas confortáveis: Evite roupas apertadas e de tecidos sintéticos, que podem irritar a pele e piorar os sintomas da foliculite na virilha. Prefira roupas de algodão ou tecidos respiráveis e soltos.
  4. Use compressas quentes: Aplique compressas quentes na área afetada para aliviar a dor e a inflamação. Use uma toalha limpa e molhada em água morna, pressionando delicadamente sobre a área afetada por cerca de 10 a 15 minutos, várias vezes ao dia.
  5. Medicamentos tópicos ou orais: Em casos mais graves de foliculite, o médico pode prescrever medicamentos tópicos ou orais, como antibióticos ou corticóides, para reduzir a inflamação e tratar a infecção. Por isso, se fala em foliculite e pomada.

Procurar tratamento médico se os sintomas não melhorarem ou se houver sinais de infecção, como febre ou pus com odor desagradável. É importante consultar um médico para avaliar a causa e a gravidade da foliculite nas partes íntimas e orientar o tratamento adequado. A automedicação ou o uso de produtos caseiros pode piorar os sintomas e levar a complicações.

Banho de assento para foliculite funciona?

O banho de assento é uma técnica antiga que muitas mulheres usam para tratar diversos problemas na região genital, incluindo a foliculite. Consiste em sentar-se em uma bacia com água morna e um ingrediente específico que pode ajudar – como chá de camomila, vinagre de maçã ou bicarbonato de sódio, por exemplo.

Algumas pessoas relatam que o banho de assento ajuda a aliviar a dor e a coceira causadas pela foliculite, mas é importante lembrar que ele não é uma solução definitiva para o problema. Ele pode ser utilizado como uma medida complementar ao tratamento prescrito pelo médico, mas é sempre bom consultar seu profissional antes, certo?

Qual IST causa foliculite?

A foliculite na região genital não é considerada uma doença sexualmente transmissível (IST) em si. O que acontece é que existem ISTS que podem causar irritação na região, entre elas:

  • Herpes genital: O vírus herpes simplex tipo 2 pode causar lesões na pele que se parecem com foliculite, com bolhas dolorosas, coceira e vermelhidão na região genital.
  • Molusco contagioso: Este vírus pode causar pequenas saliências na pele que parecem espinhas ou foliculite, mas que tendem a ter um centro mais macio e um pouco brilhante.
  • Sífilis: A sífilis é uma DST causada pela bactéria Treponema pallidum, que pode causar lesões parecidas com foliculite, mas que tendem a ser mais firmes e não contêm pus.

Nunca é demais lembrar: sexo sempre com camisinha! Não é apenas uma questão de evitar uma gravidez indesejada, mas sim sobre cuidar de você e das pessoas com que você se relaciona 💜

Foliculite é contagioso ou não é? 🔎

A foliculite geralmente não é algo que se espalha de uma pessoa para outra, ou seja, não é contagiosa na maioria dos casos. No entanto, em algumas situações, a condição pode ser transmitida de uma pessoa para outra, especialmente quando a lesão é causada por infecções bacterianas ou virais.

Como evitar foliculite nas áreas íntimas?

Agora que você já sabe tudinho sobre a foliculite, veja algumas dicas que podem ajudar a prevenir esse incômodo:

  1. Manter a higiene adequada: É importante manter a área íntima limpa e seca. Tome banhos diários e use roupas íntimas limpas e secas.
  2. Evitar roupas apertadas e tecidos sintéticos: Roupas íntimas de algodão e roupas soltas ajudam a manter a área ventilada e evitam a fricção, prevenindo o surgimento de pelos encravados.
  3. Evitar depilação completa: Evite a depilação completa ou excessiva dos pelos pubianos, pois isso pode aumentar a probabilidade de pelos encravados e irritação da pele.
  4. Hidratar a pele: Use um creme ou loção hidratante para manter a pele macia e hidratada, o que pode ajudar a prevenir a foliculite.
  5. Cuidado ao barbear: Se optar por se barbear, use uma lâmina limpa e afiada, evitando passar várias vezes no mesmo local. Utilize produtos para amaciar os pelos e tome cuidado para não cortá-los rente à pele.
  6. Evitar produtos irritantes: Evite o uso de produtos de higiene íntima com fragrâncias ou outros ingredientes irritantes, que podem causar irritação e inflamação na pele.
  7. Cuidado com a escolha do absorvente:
  8. Não compartilhar objetos pessoais: Não compartilhe toalhas, roupas íntimas ou outros objetos pessoais com outras pessoas, pois isso pode aumentar o risco de infecções.

Alergia ao absorvente comum

Agora vem a informação de milhões e que muitas mulheres desconhecem 😲 Sua irritação na região íntima pode ser causada pelo absorvente. É isso mesmo!

Aliás, você sabia que os absorventes comuns geralmente são compostos principalmente de plástico? Eles podem ser um grande vilão para a saúde da região íntima, já que abafam essa área. Algumas marcas ainda utilizam fragrâncias, corantes e outros componentes químicos que podem ser prejudiciais à nossa vulva. Isso ocorre porque esses materiais são sintéticos, ou seja, produzidos artificialmente, e entram em contato direto com uma área tão sensível do nosso corpo.

Mas não se preocupe, existem alternativas mais saudáveis para os absorventes comuns, como os absorventes de tecido orgânico, que são produzidos com materiais naturais e não contêm componentes químicos prejudiciais, com os produtos da amai.

 

Você também pode gostar de ler: 

Absorvente diário: como escolher a melhor opção

4 dicas práticas para lidar com as cólicas menstruais sem remédios


Deixe um comentário

Observe que os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados